sexta-feira, 25 de novembro de 2011

opened

Ontem foi um dia estranho. Desde às dez da manhã eu vinha recebendo mensagens dos meus pais dizendo que eles estariam sempre comigo, me dando todo o apoio que eu precisasse, e que eu podia confiar neles, que não precisava esconder nada deles porque eles me amavam acima de tudo.

É claro que eu pensei em nós duas - o único aspecto da minha vida pessoal sobre o qual eu não falava com eles.
 
Quando cheguei em casa, perguntei para o irmão do meio se eles sabiam de alguma coisa. A resposta dele foi "Carolina, eles são seus pais. Eles sabem de tudo". Eu pisquei algumas vezes antes de tentar confirmar "Tudo = eu?". Ao que meu irmão me respondeu com um "Não, na verdade eles sabem tudo sobre a política externa do país". E aí todas as coisas fizeram sentido de verdade.

E aí eu fui conversar sobre isso com o meu pai, que ficou me esperando ontem até tarde pra eu ter essa conversa. E aí eu o ouvi falar sobre como eu e meus irmãos estamos em primeiro lugar na vida deles, e aí eu o ouvi falar que ele só ficaria decepcionado comigo se eu matasse/roubasse/prejudicasse alguém, e aí eu o ouvi falar que ele só queria que eu fosse feliz, e aí eu o ouvi falar que ele me apoiaria sempre e não me abandonaria nunca, e aí eu o ouvi falar que eu não precisava ficar me preocupando com religião, com as pessoas, com a igreja, porque nossa vida pessoal é nossa vida pessoal, e a doutrina da igreja não devia mesmo ser levada ao pé da letra. E que tava tudo bem.
 
Foi depois desse discurso que eu contei sobre ela. Que eu estou com ela há dez meses, e que ela me faz feliz. E ele disse que tudo bem. E ele se só se preocupou em saber dos nossos estudos, e dos nossos planos pro futuro, e pareceu satisfeito em perceber que é sério e que queremos nos estabilizar e todo esse jazz. Ele disse que gostou dela. E que minha mãe gostou dela também. E que ele fica feliz em saber que as coisas estão bem.

Isso significa que quando ela voltar pra cá, eu vou poder apresentá-la do jeito certo, e a gente vai poder fazer coisas que casais normalmente fazem quando namoram em casa. Isso significa que quando ela voltar pra cá, ela não vai mais ser "a minha amiga". Ela vai ser "a minha namorada".

E isso me deixa realmente feliz.
 
 

 
 

 


 

7 comentários:

Bruno Melo disse...

happy happy happy \o\

rafa disse...

eu fico feliz por você querida, de verdade :)

Filipa Santos Lopes. disse...

Estou aqui de lágrimas nos olhos. É, sou emocional assim - ou melhor, é este tanto que gosto de vocês. Fico muito, muito feliz. ♥

.laurel. disse...

owwwwwwwwwwnnnnnnnnnnnnnnnnnn
mega feliz por vocês <3

swiit. disse...

que liiiindo *----*

Tangerina disse...

♥♥

.moony. disse...

que lindo ♥ vocês merecem.



p.s.: o captcha aqui pra postar o comentário é "potter", haha.