domingo, 15 de maio de 2011

para os matemáticos

Meus caros,

Não se desesperem acreditando que a menina de vocês vai a algum lugar só porque ela cresceu mais alguns centímetros. Para o bem de vocês, para o bem de todos, vocês precisam perceber que a menina de vocês continua no mesmo lugar. E se vocês a ouviam antes, se vocês consideravam o que ela dizia naquela época apenas porque achavam que ela estava de fora e teria uma visão diferenciada, é preciso que vocês saibam a verdade, vocês estavam completamente enganados a respeito dela.

Meus amigos, a menina de vocês nunca esteve fora dessa situação, apesar dos muitos esforços de vocês para poupá-la. Ela sempre esteve no meio, no centro de tudo, ainda que nada daquilo girasse em torno dela. Acreditem-me, não faço ideia de como ela foi parar no olho na tempestade, mas fatos são fatos. Ela nunca falou como quem olhasse de fora, mas sim como quem olhava de dentro, percebem? Até porque, bem, aquele que se encontra do lado de fora de uma pirâmide de três lados consegue enxergar apenas um desses lados, no máximo dois, talvez. E desde o início vocês concordaram que ela conhecia os três lados, meus amigos.

E então vocês se perguntam o que mudou, e eu digo que é só o cérebro exato de vocês lhes pregando peças. Num dado momento vocês passaram a acreditar que a pirâmide havia se desfeito em um quadrado, mas percebam, meus amigos queridos, que tudo isso continua sendo o problema de um trio. E que a menina de vocês continua no centro dessa pirâmide, girando em si mesma para enxergar a todos. 

O que eu preciso que vocês percebam e entendam e aceitem, meus amigos, é que nem mesmo ela, que está inserida nisso tudo, pode contrariar a física de uma forma geométrica: não existe maneira dela não dar as costas a alguém para ouvir outros dois. Então talvez agora ela só queira ficar sentada no centro, joelhos junto ao peito, e braços em volta dos joelhos, esperando de olhos fechados até tudo isso acabar.

Quando as paredes caírem, ela ficará livre para estar com vocês. Eu prometo.

Afetuosamente,

O Doutor.

Um comentário: