quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

i come and go just like-

Mas é claro que começaria assim, e eu não te culpo por isso. Eu conheço teu contexto melhor que qualquer outra pessoa além de-, eu conheço tua história e tua versão tanto quanto -, e é claro que eu sei do que tu precisava - porque no fim das contas tu sempre precisa de um colo ou um ombro, e eu já sabia disso como se eu mesma tivesse estado lá aguma vez. E eu acho de verdade que estive, mesmo que por tão pouco tempo.

Ontem e hoje eu fiquei pensando em como seria se a gente -, em como seria, só. E eu não via dando certo de forma alguma, porque eu sempre me via perdendo a paciência com você, ou você perdendo a paciência comigo. E eu pensar em hipóteses deveria ser romântico, meio romântico, quase romântico, pseudo romântico, mas eu não sei. Acho só que é o tipo de coisa que eu faria e faço, pensar nisso em alguns momentos do dia, especialmente porque eu venho pensando coisas parecidas de pessoas diferentes, sabe?

Problema que contigo é sempre diferente, também. Problema todo é que depois eu sempre quero voltar. Problema todo é que tem sempre algumas horas no dia em que eu penso que talvez tu esteja só, e isso me preocupa tanto! Bem menos do que antes, é verdade, mas ainda preocupa. Essa coisa de pensar seu nome e não ter nenhum sinal de "afaste-se" na minha cabeça, é o que acaba acontecendo, mesmo que tu carregue uma faixa no peito com isso escrito.

Eu te amo do jeito mais bizarro possível. Eu te amo do jeito até meio masoquista, daqueles onde tu diz e faz coisas que me magoam, que me machucam, que me irritam, e onde eu volto no final. Eu te amo e quando eu digo que te amo não é uma ironia, não é uma piada, não é sarcasmo. Mas também não é uma jura romântica não, embora pareça, embora fosse realmente cinematográfico se fosse verdade. Isso é só uma constatação.

Tu falando da única coisa que eu avisei pela qual a gente acabaria discutindo, caso a gente tocasse no assunto de novo, e eu aqui fazendo essas constatações.

Tudo bem.

A vida é um polígono mesmo


it wouldn't hurt at all

Nenhum comentário: