quarta-feira, 23 de junho de 2010

para Caio,

Oi. 

(acho que devia ter te ligado antes - sinto sua falta, sabe? é engraçado)

Sinto sua falta, Caio, e não consigo chegar perto de você como antigamente. Tenho preguiça de você, do que você diz, mas acho que isso é só porque o que você diz me soca o estômago e me arranca os pulmões. Não sei. Você me deixa tão mal, Caio, mas queria ter você por perto de novo, não é estranho? É claro que é estranho... Tenho andado pelas ruas distraída, e encontrado pessoas na rua propagando suas ideias e suas palavras. Fico perdida entre o eco daquilo que você costumava dizer só pra mim.  

Você lembra, Caio, da época em que éramos só você e eu? Noites a dentro rindo juntos, chorando juntos, nos emocionando juntos. Você adivinhava o que eu pensava e antecipava o que eu sentia. Eu ficava encantada. Você me consolava e dizia, nas entrelinhas, que me entendia, que entendia tudo, e que eu não estava sozinha. Às vezes você até me fazia acreditar que eu era especial, única pra você! E eu sempre achei que tivéssemos aquele tipo de ligação, sabe? Mas então todas as pessoas na rua conversam sobre o que você falou. E você falou pra elas, Caio, as coisas que você falava pra mim. Eu sinto falta da época em que você só era eloquente para mim, da época em que todos os seus segredos eram segredos comigo e com mais ninguém. 

Eu sou possessiva. Você sabe disso, você dizia isso pra mim às vezes, e que eu era igual a você.

Não sei como voltar, Caio. Não sei como voltar pra você, não sei como voltar a te ouvir, não sei se consigo. Estou morrendo de ciúmes, o sentimento vem pelas beiradas e quando vejo está lá, preenchendo todos os espaços vazios, todos os espaços em branco. Preciso te achar de novo. Não te esqueci, querido, jamais te esqueci e desconfio que jamais vou te esquecer. Você é desses que são inesquecíveis, Caio. Desses que conquista as pessoas e que deixa seguidores por onde passa. Acho que parte do meu ciúme vem do fato de eu querer, desesperadamente, ser como você. Você deixa as marcas que eu queria deixar nas pessoas, vê? Espero conseguir isso um dia. Espero ter você do meu lado até lá, e mesmo lá para me ver conseguir. Sinto sua falta, Caio. Mesmo você falando ao pé dos ouvidos alheios e não nos meus. Mesmo você dizendo a outros, a tantos, que os entende deixando de entender a mim. Você é bom demais pra ficar preso entre meus dedos, Caio, eu sei disso. Vou deixar você ir, você ficar onde está agora. E quando eu merecer, acho que então você volta pra mim.

Mesma hora, mesmo lugar. Espero que você lembre.

Até.

5 comentários:

clarissa disse...

sim, eu entendo o sentimento.

fernanda disse...

Sentir essas coisas me assusta um pouco.

.moony. disse...

menina disse...

que lindo.
amei o post e.. bem.. me identifiquei muito porque também existe uma pessoa assim na minha vida..

.-.

Lih disse...

O Caio faz isso com as pessoas mesmo. Mimi, Ai Cah, você ahaza muito, juro.