sexta-feira, 28 de maio de 2010

sing-along

Uma coisa engraçada quando se termina é que todas as músicas, em todos os lugares, parecem falar sobre a relação de vocês dois. Aquela velha história, sabe? Eu estava aqui o tempo todo e você não viu, garotos não resistem aos seus mistérios, os outros são os outros e só, eu quero você, como eu quero... Você nem precisa ter o trabalho de montar uma playlist de fossa, porque aquela seleção que você fez dois anos antes, de maneira completamente aleatória, vai servir tão perfeitamente quanto se fosse uma luva, e você chamará isso de destino. Você vai dizer que o universo só pode estar conspirando contra você, e trinta segundos depois você terá certeza absoluta de que isso nada mais é do que um sinal de que vocês ficarão juntos. ... sério, dá pra ser mais irracional?

Acho que tudo isso acaba fazendo parte das teorias do centro do universo. Esse pensamento meio louco de que  o nosso umbigo é o Sol do Novo Mundo e tudo mais.

Hoje estava voltando do curso, e comecei a cantarolar algo que imediatamente me fez pensar no que a gente teve. A bem da verdade é que eu não acho que seja só um caso de teoria do centro do universo; penso que tem mais a ver com projeção de sentimento do que qualquer outra coisa. De repente não são todas as músicas do mundo que falam de vocês, ou de nós dois. De repente é só você, ou eu, querendo ver histórias parecidas com as nossas só pra que não nos sintamos tão sozinhos nessa situação. Vamos lá, tu tá na merda, e então por acaso a voz do David Bowie conta uma história que poderia ser a sua. Tu te sente grato, né? Pois é. Mas mesmo reconhecendo que não é só egocentrismo que move as interpretações musicais, acho válido resolver a questão com a ajuda do saudoso Galilei: assim como a Terra não é o centro do Universo, minha história com ele não é o centro das histórias do mundo. Existe um sol lá fora. Um grande sol esperando por mim - e por você também, se você quiser.

Um comentário:

shade disse...

E quando a gente menos espera, surge um ser aleatório, vindo do nada, falando sobre tudo que não faça sentido, mas que parece, e apenas parece, porque não há certeza, compreender o que foi dito.

Eu sempre encontro músicas que parecem ter sido escritas pensando em mim, ou em situações que vivi e me meti, propositalmente ou não. Fato é que não considero egocentrismo, acho apenas interessante saber que uma grande parcela do mundo vive os mesmos problemas, e também alegrias já que podem existir boas identificações, que eu.

No mais, espero que estejas bem, não fique muito tempo na fossa, faça no máximo um banho de lama, tratamento de pele, relaxamento e por fim, seguir procurando outras músicas mais felizes que foram, conscientemente ou não, escritas pensando em você.

;*