quarta-feira, 28 de abril de 2010

a última flor do lácio

Reli teu recado tantas vezes, e a vontade de chorar contigo veio em todas elas. Pensei em escrever uma cena onde duas pessoas dividiam o momento que tu descreveu. Seria um jeito meio fantasioso, e talvez bonito, de nos colocar no mesmo espaço físico por alguns segundos, pra te dar meu colo, mas acho que uma vez fiz isso sem perceber, e acho que é o que eu gostaria de dividir contigo. Talvez tu não saiba, mas tu é alguém com quem eu gostaria de dividir um espaço para tatuar paredes; talvez tu não saiba, mas há algo em ti que eu admiro e me faz lembrar das coisas boas - de todas elas; talvez tu não saiba, mas há poesia em ti. Há essa rima, essa melodia de versos curtos que eu consigo enxergar nos teus comentários e textos, e que eu acho tão bonita e encantadora. E agora tu sabe, porque há coisas que precisamos saber ou ao menos ter certeza. Por outro lado, eu não sei dos motivos que te levaram a essa angústia, mas não saber não muda o fato de que me importo o suficiente para me preocupar. É que empatia é mesmo uma coisa muito bonita. E se não há terra que nos una agora, ao menos há língua, há palavra; especialmente essa.







Fica bem. ♥

2 comentários:

Julia disse...

Que bom saber que o meu apelidinho carinhoso pra Phi pegou!
E que ela fique bem.
:** ♥

phi disse...

Uma vez mais, eu não sei o que dizer. Foi incrível entrar aqui e ler cada uma destas tuas palavras e sabê-las minhas. Tudo aquilo que escreves comove-me porque os teus textos têm uma sentimento a verdade tão forte que é impossível ficar-lhes indiferente, mas eu acabei de ler este post com as lágrimas a escorrer-me rosto abaixo. É muito bom saber que existe alguém que se preocupa, mesmo quando há tanto mar de distância. É muito bom saber que temos paredes para tatuar, como uma marca em nós que escolhemos por gostar e não porque nos foi imposta.
Nunca vou saber dizer o que significou para mim, num momento em que me sinto tão pouco amada, receber um mimo teu, em tudo recheado de amor. E da nossa palavra. Empatia. Tu. Obrigada, do fundo do meu coração. És linda - feita de poesia, como eu, sei-o agora. Porque somos iguais. ♥

(E a Júlia também.)