sexta-feira, 2 de abril de 2010

rock's prayer


Não tem a ver com o delineador ou lápis de olho. Não tem a ver com unhas pretas e tatuagens e correntes. As pessoas têm essa mania de enxergar errado. Isso tudo na verdade é rock 'n' roll, e não tem nada a ver com cabelos repicados de pontas coloridas. Tem a ver é com a guitarra gritando e berrando com você, com o baixo te segurando os braços, com a bateria te empurrando, segurando tua cabeça e fazendo ela balançar. Não tem muito a ver com sexo não, como as pessoas gostam de dizer. Rock não é música pra você dançar até o chão, pra você se esfregar no carinha que te olha como se você fosse a porra de um baby beef, pronto pra ser comido; rock não é música de acasalamento. Rock não tem a ver com o que mostram na TV, com a maconha e a cocaína, com uma 9mm e o suicídio, com doenças sexualmente transmissíveis. Rock não é nada disso. O problema todo, o problema de verdade, é que rock mexe com a cabeça antes mexer com corpo. Antes de você pensar em dançar ou de pular ou de gritar, a música já invadiu o teu cerébro e então já era. É o caos harmônico. É tanta energia, é tanta vibração, que eu entendo as pessoas enlouquecerem por causa disso; eu entendo as pessoas ficarem desesperadas pra encontrar uma maneira dessa energia se esgotar. Daí elas cheiram; daí elas trepam; daí elas estouram a cabeça com uma arma, às vezes com uma FUCKING arma, tipo uma 12 - 9mm what? Eu fico vendo essas pessoas. Daqui do alto eu vejo todo mundo, daqui do alto eu sinto todo mundo, a alma de todo mundo. Eles deixam um pouco da alma deles aqui no palco, eles gritam, eles se jogam, eles invadem o espaço da gente enquanto a gente invade o espaço deles. A gente se joga em cima da multidão e a multidão nos mantém no alto. É a coisa mais bonita do mundo. É por isso que eu grito. É por isso que eu grito toda a minha alma, pra que eles tenham um pouco dela também. Uma troca justa, sabe? Porque eu sinto pena deles. Não de todos, mas daqueles que vão sair daqui pra trepar com estranhos enquanto estiverem completamente bêbados e descontrolados, sinto pena daqueles que enfiaram na cabeça que têm que morrer e que vão tomar alguma merda ao passar por aquele portão, sinto pena daqueles que estão ali no canto negociando a onda que terão quando o show acabar. Só que eu não posso parar de cantar, eu tenho que continuar cantando e oferecendo minha alma pra eles. Rock é isso. É essa entrega, é todo mundo se entregando a alguma coisa de alguma forma. É só que algumas pessoas se entregam às coisas erradas, e eu não posso fazer nada por elas. E agora você pensa que eu poderia simplesmente avisá-los, que eu poderia alertá-los, "hey, vocês estão acabando com suas vidas, não façam isso por favor". Mas a verdade é que seria inútil, porque isso não tá nas minhas mãos. Eu canto pra eles, eu grito pra eles, eu jogo minha alma e minha vida na cara deles, esfrego, escrevo, toco isso na guitarra, no baixo, na bateria, e eles não vêem. Eles cantam comigo tudo o que eu desejo pra eles, tudo o que eu gostaria que eles percebessem, e mesmo assim eles não vêem. É por isso que eu digo que não está nas minhas mãos, ou mesmo nas minhas cordas vocais. Eu deixo eles viverem. Eu deixo eles fazerem o que eles quiserem, porque eu os respeito. Acima de tudo, eu os respeito. Eles gritam o meu nome, amanhã eles vão estar roucos por minha causa, como eu poderia não respeitá-los? Discordo pra cacete da maneira que eles descarregaram, que eles se desmagnetizam, mas não é minha responsabilidade. É coisa do som. O problema todo é que o som liberta, ele te impulsiona à liberdade, e não é como se todo mundo soubesse o que fazer com a liberdade. Eu tô aqui pra cantar, só. O rock é minha música, o rock é minha vida, o rock é meu destino. Poderia ser o de muita gente que está aqui. Então eu canto, canto, canto. Porque ao contrário do que dizem, eu não sou um Deus. Eu só estou aqui para servir, e nenhum servo contraria o seu Senhor. A multidão pede, a multidão grita, a multidão clama. E tudo o que sai desse microfone é Amém. Assim seja.



2 comentários:

bruno shade disse...

Sem palavras para algo tão foda.

phi disse...

Amén.

(Uma das melhores coisas que já li tuas.)

:*