sábado, 16 de janeiro de 2010

tiny vessels

Esses dias tive um vislumbre da sua vida, e você parecia tão melhor quanto diferente da época em que a conheci. Observei, durante os poucos minutos que perdi com você, seus novos gestos e suas novas manias, suas novas idéias e seus novos contos. Fiquei feliz. Por você e por tudo o que você tem conseguido ou corrido atrás. De repente me dei conta da mudança e percebi, então, que você havia deixado de ser minha amiga para ser um dos meus estranhos de metrô - aqueles que vejo de longe e fico feliz por sua simples existência. Enquanto você passava diante dos meus olhos, sorri. Não senti saudade da sua existência, embora ainda a considere bonita. Percebi que você já não significa nada para mim.

2 comentários:

ferfa disse...

(estava ouvindo essa música ontem, depois de MUITO tempo. ♥)

:)!

queria que fosse assim comigo. uns amigos de eras estão virando estranhos-de-metrô pra mim, e eu sinto uma falta filha da puta.

r. disse...

2009 me foi o ano de 'estranhos de metro' sem igual. mas acho que faz parte, se afastar e se encontrar em novas pessoas.