segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

trançado em azul-petróleo

Fecho os olhos pra ouvir a  voz dela e me sinto em paz. É como se todo o resto fosse desaparecendo à minha volta, como se de repente, por algum tipo de milagre ou compaixão divina, não houvesse mais dor ou mágoa. Fecho os olhos pra ouvir a voz dela e me permito fingir sentir agora o que sentia por ela em outra época, numa tentativa desesperada de tirá-lo de dentro de mim - e eu consigo por alguns instantes. Algo no fundo da minha mente me aponta a ironia da situação. Algo no fundo da minha mente me diz que isso não é saudável. Mas eu não me importo. Fecho os olhos pra ouvir a voz dela e me sinto em paz - eu não estou apaixonada; mas poderia estar.


Nenhum comentário: