terça-feira, 8 de setembro de 2009

when you know that you just don't know

Sabia que amava demais, ao mesmo tempo em que não sabia de nada. Sabia que o queria por perto, sabia que o queria realmente presente, sabia que não poderia viver mais sem ele. Não sabia o motivo de ter ficado tão encantada por ela, não sabia a razão de ficar tão magoada com a hipótese de não ser correspondida por ela, não sabia o porquê de querer tanto tê-la visto antes de ir embora. Sabia que gostaria de repetir com ele todas as noites de chuva ou todas as noites estreladas, sabia que queria o seu carinho e o seu abraço pra sempre, sabia que queria dividir a bala de hortelã com ele. Não sabia por que ficava tão nervosa ao ver o nome dela na lista de contatos, não sabia por que se sentia tão feliz quando ela manifestava interesse numa conversa, não sabia por que se sentia tão boba o tempo inteiro, ou por que o coração acelerava e então prendia a respiração ao vê-la aparecer. Sabia que queria beijá-lo enquanto desciam as escadas juntos, sabia que gostaria de passar a noite com ele depois do cinema, sabia que os dois dariam certo e poderiam até ser felizes juntos. Não sabia de onde vinha a vontade de fazer planos com ela, não sabia de onde vinha a sensação de queda livre por pensar nela, não sabia por que sempre lembrava dela como se pedisse desculpas quando se imaginava feliz com ele. Sabia que o amava demais. Não sabia ao certo o que sentia por ela.

(sabia que estava uma verdadeira bagunça)


2 comentários:

Julia disse...

se tu não sabe, não deve ser hora de saber.
:* ♥

Pam Lima disse...

não consegui ser mais expressiva que a Júlia ♥